Balaio apresenta estudo do número Aqui (não) Pode Tocar

No final de semana do dia 11/09, que a mídia faz questão de tornar marcante para o mundo, o Balaio tinha mais que motivos para comemorar e estar feliz. Este foi potente e forte, mas não na violência e arrogância tão características dos envolvidos no ataque às Torres Gêmeas, foi forte e potente de arte, comunhão e parceria.

Sábado, 10 de Setembro. Vínhamos direto de Cidade Tiradentes, depois de um dia inteiro de trocas com muitos jovens de coletivos artísticos no 4° Encontro Comunitário de Teatro Jovem, no Centro Cultural Arte em Construção. Neste mesmo local a Rede Livre Leste realizou, no dia seguinte, sua intervenção zé-lestiana e o 2° Fórum Livre Leste com o tema “O que te incomoda?”. Impossível de evitar que aparecesse, movido por esta pergunta, o assunto dos 10 anos do ataque à Nova Iorque. Impossível também não se dar conta de que não somos ianques e que nosso olhar frente a tudo isso é distanciado e, por vezes, frio. Ficou então uma consideração de que, sim, faz 10 anos que a espetacularização da tragédia chegou em nossas casas, mas o nosso espetáculo é outro.

Imbuídos desse estado de propulsora vontade de mudança em coletivo, o Grupo doBalaio, Cia do Outro Eu e Trupe Arruacirco seguem para um outro espaço de resistência cultural e ativismo, a Casa de Cultura Raul Seixas, ocupada pelo Coletivo ALMA (Aliança Libertária Meio Ambiente). Lá foi realizado o “Sarau Lundu II – A Arte que nasce na Zona Leste” com a presença de diversos coletivos e artistas que fazem história a partir do fortalecimento artístico comunitário, dentre os quais a banda Nhocuné Soul, os poetas Raberuan e Akira (grandes responsáveis, junto com Sacha Arcanjo, Zulu de Arrebata e outros, por um importante movimento cultural que nasce em São Miguel Paulista, o MPA – Movimento Popular de Arte) e a Rede Livre Leste. Diversos outros artistas apresentaram maravilhosos trabalhos de força estética e política e podem ser conhecidos no blog do Coletivo ALMA.

O Balaio experimentou um estudo do número “Aqui (não) Pode Tocar”, contemplado pelo Edital PROAC n°10 de Produção de Número Circense. O que pode e o que não pode? Quem dá essa permissão? Quem permite quem a dar uma permissão? São com estas questões que o grupo ancora sua pesquisa em circo, música e palhaço. O numero ainda é embrionário e pretende desenvolver-se na exucação do projeto até Janeiro de 2012, quando circulará pela periferia da capital e por cidades do interior. Ainda assim fomos supreendidos (será?) por uma menina porreta de uns 8 anos de idade que, em total diálogo com o número, questionou em alto e bom tom o palhaço responsável pela proibição de que os outros dois tocassem música alí. Levantou, andou até a frente da cena, levantou o dedo, apontou no meio da cara da Cambota e exigiu que ela deixasse que tocássemos. Mesmo depois de ouvir de Cambota de que ela deveria ir até uma viatura policial (que se encontrava dentro do parque) e pegasse todos os documentos assinados e protocolados, autorizando nossa expressão artítica, a menina, ligeirinha, colocou a mão na cintura e…foi!!! Tem coisa melhor do que uma criança, em plena consciência de seu direito, responder dessa forma a nós artistas?

Quem viu, viu, quem não viu imagine pelas fotos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: